Ampliação de Casa e Chalés na Praia de Almada

O terreno situa-se num morro de 18.000 m2, circundado pelo mar e coberto com vegetação nativa, entre as praias de Almada e Ubatumirim, no estado de São Paulo. O objetivo do cliente era expandir e adaptar a casa existente, de 50 m2, construída em madeira em sistema pré-fabricado com cobertura de telha, para ter mais espaço e conforto, além de construir chalés para receber amigos ou alugar na temporada. As condições de situação do terreno apresentavam desafios geográficos, geológicos e ambientais além de acesso restrito.

 

A opção do cliente foi pela reforma da casa existente, ao invés da sua demolição, alternativa mais sustentável e que preservava camadas de memória do lugar mescladas à nova intervenção. Tanto para a ampliação da casa como para os chalés distribuídos no terreno, o princípio norteador é de que haja integração com a natureza ao redor e interferência mínima na natureza, com poucas fundações à medida do possível, construção sobre decks elevados do solo para leveza da estrutura e o mínimo de desmatamento necessário. A tendência para o conjunto é de isolamento, de um lugar para ter paz e privacidade, e não de convivência comunitária indiscriminada. A casa e os chalés devem estar a uma distância razoável uns dos outros tanto para isolamento acústico, como visual, e funcional. No entanto, preveem-se elementos de desfrute compartilhado da natureza, como por exemplo mirantes, etc.

 

Para a casa, o partido adotado é o de manter o máximo possível a casa existente como um corpo independente, e não modificar drasticamente a sua aparência, mantendo os materiais originais e criando novas aberturas sem afetar significativamente a estrutura existente. Propõe-se que esta será a área social e de serviços da casa incluindo a sala, a cozinha e a lavanderia. A ampliação consiste em dois novos blocos distintos, o primeiro contendo terraço, área íntima e banheiros interligados entre si e à area social por uma passarela semi-aberta,e o segundo, contendo garagem para 2 veículos, depósito, quarto de serviço no térreo e um estúdio/escritório para uso do cliente acima. Seu posicionamento é de tal forma que possa ser tirado o máximo proveito da paisagem circundante, como um “colar” aberto que se estende no terreno; e também adequado em relação ao conforto térmico natural, estando previsto um deck em andar elevado acima do terraço com acesso através de escada externa. Com exceção do terraço e dos banheiros que terão cobertura em laje, e da passarela com cobertura em Alwitra, nos outros volumes a cobertura será em telha. O programa consiste em: sala, cozinha,lavanderia, varanda, piscina, sauna, 3 suítes,1 banheiro, terraço, deck elevado, garagem para 2 vagas, depósito/quarto com wc, estúdio com lavabo, área para fogueira com bancos de pedra; forno de barro para assar pão, pizza, etc.; deck ao ar livre com banheira de ofurô ou hidromassagem.

 

Para os chalés, um espaço único longitudinal, em madeira e vidro, desdobrando o programa numa tira linear, de onde se pode apreciar a vista de qualquer ponto, sendo possível isolar a área de dormir através de paineis divisórios móveis. São unidades compactas que seguem um conceito de “vida simples”, de conforto com poucos elementos. Sua implantação  segue a topografia do relevo  do terreno, acomodando-os em relação  à vista de frente e das laterais. Sao concebidos numa malha modular que pode ser ajustada conforme a localização e é prevista também a integração  do projeto com os elementos encontrados no terreno, tais como pedras grandes, árvores significativas, etc. O programa consiste em: espaço único flexível com cozinha aberta, área de estar  e dormitório; banheiro com área separada para ofurô / hidromassagem e vista para a paisagem; lavanderia externa; deck varanda.

 

O acesso se dá por uma porteira na divisa do terreno, controlada por interfone para a casa do caseiro e para a casa principal, e uma guarita para controle eventual. A casa do caseiro será implantada próxima à porteira, e terá comunicação  com todos os chalés e a casa principal, que por sua vez também terá comunicação  com todos os chalés. Será definida uma área de estacionamento para veículos com destino aos chalés, próxima à via interna de acesso que cruza o terreno. O acesso a cada um dos chalés será através de trilhas na mata, mas de curta distância.

 

O sistema estrutural será em concreto para as fundações e apoios dos decks elevados, e em madeira autoportante acima dos decks (woodframe), com fechamento e acabamentos em madeira contendo isolamento acústico e térmico. Alguns elementos serão em alvenaria, como o terraço interno, os banheiros e o bloco dos serviços/garagem. A cobertura consiste em uma “caixa” retangular, circunscrita numa platibanda metálica, contendo o vigamento em madeira, o forro, camada isolante termo-acústica, OSB e impermeabilização com Alwitra ou telha sanduíche de poliuretano metálica. Esta “caixa” da cobertura, assenta-se sobre uma canaleta em “U” que cria um respiro entre as paredes e o telhado, dando a impressão de que está flutuando.

 

De maneira geral optou-se por transparencia nas fachadas e otimização da luz natural, com a utilização de portas balcão, portas de correr em vidro, novas aberturas e panos fixos translúcidos. Nos chalés, a fachada frontal tem caixilharia de madeira e vidro, com a maior parte de sua extensão podendo ser inteiramente aberta, fundindo o interior e o exterior. Neste caso foram utilizados painéis móveis com brise de madeira horizontal ajustável para sombreamento e privacidade, sobrepostos a painéis móveis de vidro.

 

Sustentabilidade

O conceito desenvolvido para o projeto de construção  em decks elevados  é uma das premissas sustentáveis do projeto por representar intervenção  mínima no solo.

 

O sistema construtivo utilizado para racionalizar a construção  em madeira certificada, foca na sustentabilidade das construções secas e na velocidade de montagem, resultando numa obra mais rápida, limpa e versátil. Será também instalado aquecimento solar e previsto um sistema de reaproveitamento da água. Do ponto de vista de sustentabilidade social, espera-se que o giro de capital no aluguel dos chalés possa empregar serviços locais variados para funções de manutenção , limpeza, lazer, etc.