Edifício Johnson

O projeto consiste em reforma e demolição de um edifício existente desde 1930, aliadas a novas secções e ampliação. O briefing do cliente pretendia maximizar área para locação de espaços comerciais e criar um ambiente corporativo que atraísse usuários de peso. O projeto exigiu aprovação legal com “mudança de uso” e apesar de não estar localizado em área de preservação histórica, as leis exigiam que fosse mantido o caráter da área, portanto as fachadas para a rua tinham que ser preservadas.

 

O edifício maior, de escritórios, fica à frente do terreno envolto pelas fachadas preservadas de dois lados fazendo face às ruas Hatton Garden e St Cross.  A parede posterior, voltada para os fundos e previamente bombardeada na guerra, foi removida; os pisos existentes nela engastados foram demolidos, assim como as torres de circulação, tanto para ampliar a area útil com definição de novos níveis como para possibilitar a concepção de um espaço racional e de planta flexível ao invés de manter o layout fragmentado anterior. Seis novos pisos foram inseridos, com recuos conforme a altura para evitar a perda de luz diurna para os vizinhos (rights of light), gerando uma diversidade de espaços de pé direito duplo ou triplo. A área de escritórios concebida, concentra-se em anel ao redor de um atrium vazado que vai do piso `a cobertura em EFTE, trazendo luz natural para o interior e constituindo o elemento central do partido arquitetônico. No atrium, pontes de concreto pré-moldado com perfurações em vidro circular conectam os escritórios dos dois lados, alinhando os pisos novos aos existentes reformados, engastados nas fachadas frontais. Um “rasgo”horizontal se estendendo da fachada frontal de Hatton Garden para o interior, no térreo, cria o acesso principal ao edifício, desembocando numa recepção de pé direito duplo e em seguida no atrium, que adquire a qualidade de “sala urbana” (city room). Neste edifício, a decisão de justapor novo e existente contribuiu para o acréscimo de 6.500 m2.

 

O edifício menor reformado, nos fundos do terreno, abriga 14 apartamentos residenciais e 150 m2 de oficinas de joalheria, condição imposta pelos órgãos de planejamento urbano para preservar características de uso da área. Um pátio interno recluso, descoberto, une os dois edifícios e serve para usufruto de ambos.

 

Este projeto, além de ser um modelo de entrega de obra no prazo em um terreno muito restrito (o único acesso à obra deu-se por uma ruela interna estreita nos fundos do terreno, com entrada pela Leather Lane e isto exigiu uma programação de obra e operações bastante complexas ), criou um novo padrão no mercado de espaços corporativos batendo recordes de custo e qualidade.

 

Desenvolvimento

 

A opção do cliente de conceber um edifício de escritórios em uma área tradicionalmente conhecida por suas joalherias e metais preciosos, era arriscada. Somado a isto, o projeto propunha o uso do concreto aparente com elementos sobrepostos de madeira, vidro e pedra, algo incomum no universo corporativo. Por este motivo, redução de custo e alta qualidade eram prerrogativas essenciais e o cliente teve a visão de que investir no projeto, gastando mais dinheiro e tempo na fase de desenvolvimento, traria um enorme custo-benefício para a obra. Sendo assim, financiou extensos testes e a construção de mock ups em escala real para testar materiais, formas, acabamentos, etc. durante o processo de projeto. O mock up principal, numa área de 100 m2, reproduzia elementos “chave” do espaço, como por exemplo os escritórios, com pisos, forro, iluminação, paredes internas;  paredes externas e janelas; banheiros com acabamentos completos e iluminação; o espaço do atrium com as pontes, portas de vidro, gradis de proteção e balaústres. Foi construído em um espaço cedido dentro de um outro empreendimento do cliente, em obras, também em Londres. Com isto, garantiu-se, através de um processo de precificação constante pelo orçamentista e um consultor de custos, e com a participação do cliente, a definição completa de todos os elementos para obter um custo de obra o mais fechado possível.

 

Em paralelo, e também como parte deste processo, a construtora entrou “a bordo” a partir do final da fase de anteprojeto, trabalhando com a equipe de arquitetos e consultores na reengenharia de valores, gerando também um grande custo-benefício para o orçamento e a qualidade do empreendimento, que foi finalmente realizado pelo custo excepcional de £ 1.313 /m2.